quinta-feira, 27 de maio de 2010

Agachamento 2 : Introdução ao treino de Força

Recapitulando, na parte 1 desta série, falamos como seria possível reeducar ou reativar este padrão de movimento essencial. Nesse período, o agachamento bilateral não aparece na programação semanal de desenvolvimento de força.
Porém, há modos de estimularmos o sistema neuromuscular através desse mesmo padrão e é sobre isso que falaremos a respeito.

O fato: O Agachamento é um movimento mais técnico do que físico. O que estou querendo afirmar com isso é que existe um limitante técnico que pode impedir ou dificultar o desenvolvimento da técnica no treino de força. Estabilidade do tronco no processo de dissociação (Estabilidade Lombar x Mobilidade de Quadril) é um limitante na utilização da capacidade de gerar força através das pernas para a execução do movimento.

Gostaria de enfatizar também a importância da mobilidade do quadril para a execução do movimento, assim como também é importante a dorsiflexão do tornozelo. Essas limitações causarão deficiências técnicas que comprometerão o exercício assim como podem desenvolver uma série de problemas físicos ao indivíduo.

Gray Cook tem uma frase muito sabia, e que me pergunto sempre ao desenvolver uma programação de treinamento: “Am I building Strength on Top of Disfunction?”, o que significa, estou desenvolvendo força em cima de disfunção? Eu garanto que grande parte de população, atletas ou não, tem grande dificuldade de executar esse movimento com o próprio peso do corpo apenas.

Durante as nossas mentorships, costumo falar que o conhecimento é de todos e não existe um dono. Por isso me sinto a vontade em compartilhar com todos vocês essas experiências, assim como também fazem os maiores nomes no assunto na indústria mundial. Recentemente, em um dos eventos da GAFF, comentei a respeito de uma experiência realizada por Coach Boyle com seus atletas de Ice Hockey da Universidade de Boston. É incrível como percepções simples podem ter grande influência no desenvolvimento de um trabalho. Seguindo o mesmo processo resolvi fazer a mesma pesquisa comigo mesmo Executei teste de 1 RM para o agachamento. Após algumas tentativas, 90kg foi o Maximo que consegui sem me matar!

video

Agora, levando em consideração meus 100kg, o peso global do teste foi 190kg (100kg do meu peso corporal + 90 kg da sobrecarga) A partir disso, vou tentar achar o que seria um teste de carga máxima para o agachamento unilateral. Teoricamente, se dividir o peso global (190kg) pela metade, o meu agachamento unilateral para 1 RM deveria ser de um peso global de 95kg (abaixo do que é meu peso corporal). Com 100kg, fui capaz de realizar 10 + repetições (VIDEO unilateral).

video

Com isso em mente, fica bem claro como o exercício bilateral tem um limitante técnico. A musculatura estabilizadora da coluna lombar precisa trabalhar bastante para proporcionar equilíbrio suficiente para o trabalho das pernas. Mas quando trabalhamos unilateralmente, é possível diminuir a carga na coluna e aumentar a capacidade das pernas de trabalharem. Dessa forma, o agachamento unilateral com suporte se torna a variação a ser utilizada pelos nossos atletas a partir do primeiro dia,

VIDEO ATLETA
video

e com nossos alunos, dependendo apenas das condições físicas de cada um. O que tem funcionado perfeitamente é um pequeno ajuste de amplitude de movimento

VIDEO ALUNO – ROM LIMITADA
video

Finalizaremos essa série falando a respeito do desenvolvimento de força e potencia utilizando esse padrão de movimento bilateral.

Um comentário: